Microcefalia causas e consequências

A microcefalia é uma doença que afeta bebês ainda dentro do útero da mãe e tem como característica a má formação do crânio.

Microcefalia

A Microcefalia, também chamada popularmente como doença do cérebro pequeno, ocorre em casos de má formação dos ossos do crânio do feto ainda dentro do útero. Podendo se desenvolver por diversos fatores sendo este por doenças infecciosas como a Meningite, Dengue e o Zika vírus, má formação genética, exposição de substâncias tóxicas, desnutrição ou até mesmo devido ao consumo de álcool durante a gestação, comprometendo assim o desenvolvimento do cérebro que devida à separação dos ossos após o nascimento, podendo inibir seu crescimento e suas capacidades intelectuais, físicas e motoras.

Tipos de Microcefalia

Classificada em dois tipos, sendo a microcefalia primária quando os ossos do crânio se fecham durante a gestação, atingindo de 28 a 31 semanas de gestação, ocasionando sérias complicações durante a vida. A microcefalia secundária ocorre quando os ossos se fecham na fase final da gestação por volta de 42 semanas ou após o nascimento do bebê, ambas podem ser consideradas doenças congênitas.

Mais sobre microcefalia causas e consequências

Mesmo com o acompanhamento do pré-natal, o diagnóstico só poderá ser confirmado por volta de um ano de idade, quando a cabeça do bebê mede menos de 33 centímetros, sendo que o crânio de um bebê sem a doença mede por volta de 43 centímetros.

Microcefalia1

Além da má formação física, várias doenças são decorrentes devido à microcefalia, sendo elas: atraso mental severo, cegueira, surdez, déficit intelectual, paralisia motora, crises de convulsões, epilepsia, autismo e rigidez dos músculos.

Não há tratamento para a doença, há um cuidado periódico para diminuir os sintomas da doença por toda a vida do indivíduo. Com o avanço da doença o mesmo passa a utilizar cadeira de rodas e no estágio final o individuo ficará acamado.

Microcefalia consequências na infância

Com o diagnóstico precoce da doença intervenções até mesmo cirúrgicas podem amenizar os sintomas, entretanto já que se trata de uma patologia genética, casais com casos na família se faz necessário à procura geneticista.

O acompanhamento até a fase de formação cerebral até os três anos de idade com intervenções de terapia ocupacional, fisioterapia estimulações cognitivas específicas podem retardar os sintomas da doença onde há uma espécie de treinamento do cérebro infantil para uma melhora no decorrer da vida.

Microcefalia consequências

Alguns sintomas prevalecem mesmo com o diagnóstico precoce sendo eles: retardo de alguns aspectos do desenvolvimento, tais como fala e movimentos, dificuldades de coordenação e equilíbrio, pequena estatura, distorções faciais, ou aspectos no comportamento sendo o déficit de atenção ou a hiperatividade.

Saiba mais sobre outras doenças

25/01/16 por Veronica Ortiz

   

Mais informações por email

Comentar